quinta-feira, 29 de dezembro de 2011


ENSINO

“E Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos; E, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo:”


Quem tem uma profissão segue um código de ética – procedimentos morais esperados de quem exerce determinada função. Os cristão também têm seu código de cética, sintetizado no discurso feito por Jesus sobre o qual lemos.

Quando Jesus começou a ensinar, seus ouvintes ficaram surpresos. Ele não repetiu aquilo que eles estavam cansados de saber. Seu ensino era novo, muito mais profundo e abrangente. Falou sobre religião, relacionamentos interpessoais, finanças. Seus ensinos são práticos – aliás, de nada adianta conhecê-lo se não forem seguidos.

O teólogo John Stott escreveu que esta é a parte mais conhecida e menos observada do ensino de Cristo. Isso acontece porque o sermão do monte parece impraticável. Exige dos cristãos um compromisso de que nem todos estão dispostos a assumir. As exigências de Deus são elevadas demais para pessoas tão falhas e limitadas como nós. Preferimos ser egoístas a amar, religiosos e não sagrados, e lidar com nossas coisas como bem entendemos.


Deus tem um padrão elevado, mas nos ajuda a buscá-lo. Seguir Jesus é percorrer um caminho apertado e arriscado, mas não estamos sozinhos. Ele nos mostra o quanto precisamos depender de Deus até para fazer a sua vontade.

O ensino de Jesus é um conjunto dos melhores conselhos para bem viver e ser feliz. Eles previnem nossa destruição – quando não os seguimos, nossa vida está em risco. Se quisermos ser como Jesus, precisamos conhecer e praticar o que Ele ensinou. Num mundo com tantos problemas, somos convocados por nosso Mestre a mostrar diferença desenvolvendo um caráter puro e agindo sempre com amor.

[ Quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu sua casa sobre a rocha ]

Um comentário: